sábado, 3 de setembro de 2011

TRABALHANDO COM VERBOS

Dados da Aula

O que o aluno poderá aprender com esta aula
  • analisar o emprego de verbos em textos conforme os critérios de adequação aos tempos, modos e flexões verbais;
  • observar e apropriar-se de certos aspectos da língua relacionados aos tempos verbais;
  • verificar, por meio de atividades propostas, a função semântico-estilística do verbo na construção do texto.
Duração das atividades
04 aulas de 50 minutos
Conhecimentos prévios trabalhados pelo professor com o aluno
  • Flexões verbais.
Estratégias e recursos da aula
  • utilização do laboratório de informática e sala de vídeo;
  • atividades realizadas em grupo ou duplas de alunos;
  • utilização de imagens, textos, anúncios e vídeos veiculados na internet.
Aula 01 (50 minutos)

Disponível em:
http://miriamtorres.blog.terra.com.br/2010/04/14/qual-o-seu-verbo/ 
O verbo é a base  da comunicação verbal, está diretamente relacionado à ação e à existência do homem no mundo. Compreender a representação dos verbos é fator muito importante para interpretar um texto, pois, é o significado dos verbos que faz com que outros termos se liguem a ele.
Atividade
I – Para retomar algumas características da estrutura dos verbos, o professor deverá reproduzir para os alunos a charge e os anúncios publicitários, apresentados, a seguir.
II – A seguir, o professor deverá solicitar aos alunos que realizem, em dupla, as atividades propostas.
A.

Disponível em:
http://aeuropanasnossasmaos.files.wordpress.com/2009/12/verbos-de-accao2.jpg 
1.  Separe os verbos do quadro conforme a conjugação a que pertencem: 1ª., 2ª. e 3ª.
2. Os verbos do quadro caracterizam-se semanticamente  como verbos de ação ou de estado?
B.

Disponível em:
http://3.bp.blogspot.com/_Ys_N2VCWEUU/TEh4qhRaI7I/AAAAAAAAAHk/0-555XlgybA/s1600/verbo+prenderx.jpg 
3.Verbos são palavras que podem  apresentar flexões de número, pessoa  modo e tempo. Identifique estas flexões, a partir  do  verbo prender, conjugado na charge, informando:
a.  Os pronomes que indicam a 1ª. pessoa.
b.Os pronomes que indicam a 2ª. pessoa.
c. Os pronomes que indicam a 3ª. pessoa.
d. O tempo e o modo.
4. O tempo presente expressa uma ação que está ocorrendo no momento da fala ou uma ação habitual. Qual desses casos se aplica ao verbo da charge? Explique.
5. Explique o humor presente na charge.
C.

Disponível em:
http://discutindoaredacao.files.wordpress.com/2010/12/errado2.jpg 
6. As formas nominais de um verbo derivam do tema (radical + vogal temática) acrescido das seguintes desinências:
- r para o infinitivo: cantar, trabalhar, viver, sair
 -ndo para o gerúndio: cantando, trabalhando, vivendo, saindo
- do para o particípio: cantado, trabalhado, vivido, saído
a.Identifique a forma nominal presente no anúncio das havaianas.
b. A linguagem dos anúncios publicitários geralmente se adapta ao perfil do público ao qual eles se destinam e ao suporte ou veículo em que eles são publicados.
A linguagem empregada no anúncio é formal ou informal? Comprove sua resposta com uma palavra do texto.
A que público se destina o anúncio?
D.

Disponível em:
http://tudibao.com.br/2010/05/estaremos-falando-de-gerundismo-a-praga-do-portugues.html 
Gerundismo é o uso exagerado do gerúndio, isto é,  emprega-se  o gerúndio sem necessidade em situações, por exemplo em que se deveria dizer ‘vou transferir’ ou ‘transferirei’ diz-se ‘vou estar transferindo’.
a. O anúncio acima, trata-se de uma divulgação de livros  do professor Pasquale Cipro Neto. Nesse caso, o gerúndio foi utilizado de maneira intencional? Justifique.
b. Reescreva a frase do anúncio, eliminando os gerúndios desnecessários.

Aula 02 (50 minutos)
Atividade
1. Nessa aula, o professor deverá fazer a correção das atividades, aproveitando para fornecer mais informações a respeito da estrutura verbal, a partir  dos exemplos retirados da charge e dos anúncios.
Observação: Caso considere necessário, o professor poderá disponibilizar gramáticas para os alunos para que  consultem sobre o tema, de acordo com orientações do professor.

Aula 03 (50 minutos)
Atividade 
I -. O professor deverá reproduzir para os alunos cópia  do conto “Disciplina do amor” de Lygia Fagundes Teles
A disciplina do amor – Lygia Fagundes Telles

Disponível em:
http://4.bp.blogspot.com/__cJzBT_GbRo/SZnqk8DlT0I/AAAAAAAAAss/fNQY0y4gz9s/s1600-h/cachorro_gd.jpg 
Foi na França, durante a Segunda Grande guerra: um jovem tinha um cachorro que todos os dias, pontualmente, ia esperá-lo voltar do trabalho. Postava-se na esquina, um pouco antes das seis da tarde. Assim que via o dono, ia correndo ao seu encontro e na maior alegria acompanhava-o com seu passinho saltitante de volta à casa. A vila inteira já conhecia o cachorro e as pessoas que passavam faziam-lhe festinhas e ele correspondia, chegava até a correr todo animado atrás dos mais íntimos, para logo voltar atento ao seu posto e ali ficar sentado até o momento em que seu dono apontava lá longe.
Mas eu avisei que o tempo era de guerra, o jovem foi convocado. Pensa que o cachorro deixou de esperá-lo? Continuou a ir diariamente até a esquina, fixo o olhar naquele único ponto, a orelha em pé, atenta ao menor ruído que pudesse indicar a presença do dono bem-amado. Assim que anoitecia, ele voltava para casa e levava sua vida normal de cachorro, até chegar o dia seguinte. Então, disciplinadamente, como se tivesse um relógio preso à pata, voltava ao posto de espera. O jovem morreu num bombardeio, mas no pequeno coração do cachorro não morreu a esperança. Quiseram prendê-lo, distraí-lo. Tudo em vão. Quando ia chegando aquela hora, ele disparava para o compromisso assumido, todos os dias.
Todos os dias, com o passar dos anos (a memória dos homens!) as pessoas foram se esquecendo do jovem soldado que não voltou. Casou-se a noiva com um  primo. Os familiares voltaram-se para outros familiares. Os amigos para outros amigos. Só o cachorro já velhíssimo (era jovem quando o jovem partiu) continuou a esperá-lo na sua esquina.
As pessoas estranhavam, mas quem esse cachorro está esperando?…Uma tarde (era inverno) ele lá ficou, o focinho voltado para aquela direção.
Disponível em:
http://desmontandotexto.blogspot.com/2009/09/disciplina-do-amor.html 


Disponível em:
http://www.releituras.com/lftelles_bio.asp 
  • Professor, ofereça a seus alunos a biografia de Lygia de A fagundes.
Quarta filha do casal Durval de Azevedo Fagundes e Maria do Rosário Silva Jardim de Moura, nasce na capital paulista, em 19 de abril de 1923, Lygia de Azevedo Fagundes, na rua Barão de Tatuí. Seu pai, advogado, exerceu os cargos de delegado e promotor público em diversas cidades do interior paulista (Sertãozinho, Apiaí, Descalvado, Areias e Itatinga), razão porque a escritora passa seus primeiros anos da infância mudando-se constantemente. Acostuma-se a ouvir histórias contadas pelas pajens e por outras crianças. Em pouco tempo, começa a criar seus próprios contos e, em 1931, já alfabetizada, escreve nas últimas páginas de seus cadernos escolares as histórias que irá contar nas rodas domésticas. Como ocorreu com todos nós, as primeiras narrativas que ouviu falavam de temas aterrorizantes, com mulas-sem-cabeça, lobisomens e tempestades. [...]  
Disponível em:
http://www.releituras.com/lftelles_bio.asp 
II – Após a leitura do texto, feita pelo professor, os alunos deverão responder as questões propostas, em dupla.
1.  O gênero conto é uma breve e simples narrativa, apresenta as seguintes características:  
- apenas uma célula dramática;
-  poucos personagens intervem na narrativa;
 -  cenário limitado, espaço restrito. -  espaço de tempo curto;
-  diálogos sugestivos que permitem mostrar os conflitos entre as personagens;
-  a ação é reduzida ao essencial, há um só conflito;
-  a narrativa é objetiva, por vezes, a descrição não aparece;
a. Identifique estas características presentes no conto lido ‘A disciplina do amor’.
b. Como se caracteriza o narrador desse conto? Comprove sua resposta com palavras do texto.
2. Explique o título do conto: Disciplina do amor.
3. Um fato passado pode ser referido de três maneiras distintas:
Pretérito perfeito: expressa uma ação ou um fato concluído no passado.
Pretérito imperfeito: expressa um fato ou uma ação habitual ou que  acontecia com freqüência no passado; pode também indicar uma ação que teve continuidade no passado.
Pretérito mais que perfeito: indica um fato que ocorreu no passado antes de outro fato também no passado.
a. Releia o texto e responda: qual o tempo verbal predominante?
4. Releia o primeiro parágrafo do texto:
Foi na França, durante a Segunda Grande guerra: um jovem tinha um cachorro que todos os dias, pontualmente, ia esperá-lo voltar do trabalho. Postava-se na esquina, um pouco antes das seis da tarde. Assim que via o dono, ia correndo ao seu encontro e na maior alegria acompanhava-o com seu passinho saltitante de volta à casa. A vila inteira já conhecia o cachorro e as pessoas que passavam faziam-lhe festinhas e ele correspondia, chegava até a correr todo animado atrás dos mais íntimos. Para logo voltar atento ao seu posto e ali ficar sentado até o momento em que seu dono apontava lá longe.
Justifique a predominância dos verbos no pretérito imperfeito do indicativo neste trecho.
4. Justifique o emprego do pretérito perfeito na passagem seguinte:
O jovem morreu num bombardeio, mas no pequeno coração do cachorro não morreu a esperança.
5. Em uma narrativa,  empregam-se verbos no pretérito perfeito  para representar situações passadas concluídas  e o pretérito imperfeito para se fazer descrições de ambientes e personagens, bem como de suas ações habituais.
Responda:
Qual desses tempos verbais é responsável pela progressão do texto? Justifique sua resposta.

sexta-feira, 2 de setembro de 2011

Estratégias de leitura e produção de texto: trabalhando com placas, rótulos, bulas...

Estrutura Curricular

Modalidade:
Tema:
Educação de Jovens e Adultos - 2º ciclo
Linguagem escrita: leitura e produção de textos
Educação de Jovens e Adultos - 1º ciclo
Leitura e escrita de texto
Ensino Fundamental Final:
Análise linguística: léxico e redes semânticas
Ensino Médio
Produção, leitura, análise e reflexão sobre linguagens
Ensino Fundamental Inicial
Língua escrita: prática de leitura
Ensino Fundamental Final
Análise linguística: processos de construção de significação

Dados da Aula

O que o aluno poderá aprender com esta aula
  • observar e registrar escritas de placas, de outdoors, de letreiros, de faixas e de outros portadores de textos que encontrar em seu percurso para a escola.
  • reconhecer o potencial de leitura que está por trás de qualquer texto e de qualquer suporte textual.
  • produzir textos tendo por base os fragmentos encontrados no percurso de casa até a escola.
  • observar, problematizar e analisar os elementos textuais e outros recursos presentes nesses textos e seus suportes (localização, tamanho), identificando os interlocutores em potencial desses e os objetivos de sua utilização como formas de interação verbal.
Duração das atividades
4 aulas de 50 minutos cada (200 minutos)
Conhecimentos prévios trabalhados pelo professor com o aluno
 É importante que os alunos saibam com antecedência o que é um repentista, já que esse termo aparece no primeiro vídeo da sequência Um mundo imerso em palavras. Acesse o site http://www.ceara.com/repentistas.htm - acesso em 18/06/2010 - e encontre informações valiosas para fornecer aos alunos sobre o tema.  
Estratégias e recursos da aula
1ª AULA
Essa aula pretende mostrar aos alunos a importância da leitura e escrita na vida do homem. Inicie a aula mostrando a eles uma tríade de filmes chamada Um mundo imerso em palavras, que poderá proporcionar uma discussão muito positiva acerca de tal assunto.   
1º filme de 3 - Um mundo imerso em palavras – http://www.youtube.com/watch?v=xtHsZDEHvvY – acesso em 18/06/2010.  
2º filme de 3 - Um mundo imerso em palavras -  http://www.youtube.com/watch?v=0wOVZ0q9-bE – acesso em 18/06/2010.  
3º filme de 3 - Um mundo imerso em palavras - http://www.youtube.com/watch?v=9nLBNEzIMeU - acesso em 18/06/2010.  
       Agora que os alunos assistiram aos filmes, entregue a eles um questionário para que reflitam sobre o que viram. Promova um seminário em que todos os alunos possam participar oralmente, respondendo ao questionário, ao mesmo tempo em que registram por escrito as conclusões a que chegarem sobre cada questão.

Pergunte sobre o filme:
1)      Quais as necessidades que fazem com que surja a linguagem escrita em tempos remotos?
2)      A palavra oral continua sendo suficiente para uma sociedade cada vez mais informatizada?
3)      Qual é, de acordo com o filme, a principal ferramenta para compreender o mundo?
4)      Apenas decodificar a linguagem é suficiente para exercer a cidadania?
5)      Qual a relação existente entre cidadania e letramento?
6)      O que é a “borrachalhioteca” e o que os seus alunos acham dessa iniciativa?
7)      A fala do escritor Bartolomeu Campos de Queirós nos faz pensar sobre formas inusitadas de se aprender a ler e escrever, que muitas vezes passam despercebidas a um olhar desatento. Qual a importância que a palavra parece ter na vida do escritor?
8)      Peça aos alunos para dizerem o que pensam sobre a fala do escritor “Cada criança lê no meu texto o que falta a ela”. O que ele quis dizer com isso?
É importante chamar atenção dos alunos para as infinitas possibilidades que a palavra proporciona ao leitor e que cada leitor atribuirá um significado diferente ao que lê, tendo por base o contexto em que está inserido e uma porção de outras características.
10)   Você seria capaz de se lembrar da primeira palavra que escreveu? E do primeiro livro que você leu?
11)  O que você notou de diferente entre a “velha escola” e a escola de hoje?
12)   Qual a importância da escrita para os recém alfabetizados?
        Explore o máximo possível os elementos desse vídeo, que são riquíssimos para uma discussão muito positiva em torno do ato de ler e escrever.
2ª AULA
 Depois da profícua discussão que foi feita na aula anterior acerca da importância das palavras, é sugerido que nessa aula os alunos recebam uma cópia do texto Circuito fechado, de Ricardo Ramos.

Circuito fechado 
(Ricardo Ramos, Circuito fechado, Rio de Janeiro, Record, 1978)
Chinelos, vaso, descarga. Pia, sabonete. Água. Escova, creme dental, água, espuma, creme de barbear, pincel, espuma, gilete, água, cortina, sabonete, água fria, água quente, toalha. Creme para cabelo, pente. Cueca, camisa, abotoaduras, calça, meias, sapatos, gravata, paletó. Carteira, níqueis, documentos, caneta, chaves, lenço. Relógio, maço de cigarros, caixa de fósforos, jornal. Mesa, cadeiras, xícara e pires, prato, bule, talheres, guardanapos. Quadros. Pasta, carro. Cigarro, fósforo. Mesa e poltrona, cadeira, cinzeiro, papéis, telefone, agenda, copo com lápis, canetas, blocos de notas, espátula, pastas, caixas de entrada, de saída, vaso com plantas, quadros, papéis, cigarro, fósforo. Bandeja, xícara pequena. Cigarro e fósforo. Papéis, telefone, relatórios, cartas, notas, vales, cheques, memorandos, bilhetes, telefone, papéis. Relógio. Mesa, cavalete, cinzeiros, cadeiras, esboços de anúncios, fotos, cigarro, fósforo, bloco de papel, caneta, projetos de filmes, xícara, cartaz, lápis, cigarro, fósforo, quadro-negro, giz, papel. Mictório, pia. Água. Táxi, mesa, toalha, cadeiras, copos, pratos, talheres, garrafa, guardanapo, xícara. Maço de cigarros, caixa de fósforos. Escova de dentes, pasta, água. Mesa e poltrona, papéis, prova de anúncio, caneta e papel, relógio, papel, pasta, cigarro, fósforo, papel e caneta, telefone, caneta e papel, telefone, papéis, folheto, xícara, jornal, cigarro, fósforo, papel e caneta. Carro. Maço de cigarros, caixa de fósforos. Paletó, gravata. Poltrona, copo, revista. Quadros. Mesa, cadeiras, pratos, talheres, copos, guardanapos. Xícaras. Cigarro e fósforo. Poltrona, livro. Cigarro e fósforo. Televisor, poltrona. Cigarro e fósforo. Abotoaduras, camisa, sapatos, meias, calça, cueca, pijama, espuma, água. Chinelos. Coberta, cama, travesseiro.  
http://www.scribd.com/doc/6649886/Circuito-Fechado - acesso em 17/06/2010.  
Faça uma leitura bem expressiva desse texto com os alunos. Ao fim da leitura, peça que eles observem a que classe gramatical pertence as palavras utilizadas para compô-lo. Os alunos deverão notar que elas são substantivos e que cada uma dessas palavras ajuda a nomear espaços e objetos que compõem o cotidiano de uma pessoa. Pergunte se é possível descobrir o sexo da pessoa do texto, com o que provavelmente ele trabalha, se ele tem algum vício. Então, após as respostas deles, enfatize a importância das palavras (no caso, substantivos) para a criação de sentidos, possibilidades, mundos.
Agora,  peça aos alunos que escrevam uma história, tendo por base o Circuito fechado, fornecendo detalhes sobre o espaço, dando nome ao personagem, acrescentando conectores, verbos, artigos, advérbios, para criar uma história completa. Deixe os alunos livres para que acrescentem novas informações à história, desde que mantenham as palavras.

PROPOSTA DE EXPLORAÇÃO DE VÍDEO ALIADA À LEITURA

Modalidade
Ensino Fundamental Final:

Língua oral e escrita: prática de escuta e de leitura de textos
Ensino Médio:
Produção, leitura, análise e reflexão sobre linguagens.

Dados da Aula                                                  

O que o aluno poderá aprender com esta aula     

-  ler as imagens, interpretando-as num processo de intertextualidade;
-  perceber a ironia das colocações feitas pelo narrador a respeito da leitura;
-  identificar o gênero do vídeo como uma campanha publicitária;
-  refletir sobre o impacto do hábito de leitura na história da humanidade e no modo de viver da sociedade
Duração das atividades
1 horas/aula de 45min a 50min
Conhecimentos prévios trabalhados pelo professor com o aluno
-Figuras de linguagem
Estratégias e recursos da aula
INTRODUZINDO A AULA:             
 levar para a sala de aula cópias de oito textos de gêneros diferentes e entregar aos alunos, dentro de envelopes semi-fechados, recomendando que levem para casa , mas não abram e nem leiam o conteúdo.


 PASSO-A-PASSO DO DESENVOLVIMENTO DA AULA:

1º passo: No primeiro momento da aula, cobrar os envelopes e questionar se cumpriram a recomendação, se foi difícil, se ficaram curiosos. Deve ser uma discussão rápida. A idéia é estimular ainda mais a curiosidade sobre o conteúdo dos envelopes.

2º passo: Em seguida, pedir que abram os envelopes e examinem o conteúdo. A partir daí, deverão formar grupos de acordo com o texto dentro do envelope.

3° passo: Os grupos deverão ler os textos e discutir por alguns minutos sobre a experiência da leitura e o que ela lhes provocou. 4° passo: Socialização das experiências pelos grupos, enfocando o primeiro momento, sobre o que significou para eles a proibição da leitura.

5° passo: Exibição do vídeo Ler devia ser proibido para a turma, disponível em:  http://www.youtube.com/watch?v=iRDoRN8wJ_w

6º passo: Discussão sobre o tema abordado, identificando as personalidades que aparecem no vídeo, as suas contribuições para a humanidade e como o hábito da leitura contribuiu para isto. Questionar sobre as associações feitas entre essas personalidades e as representações que temos delas.

Sugestão de textos: Os textos deverão ser selecionados de acordo com o interesse dos alunos, incluindo reportagens, poemas, crônicas, textos publicitários. Deverão ser textos que prendam a atenção e estimulem a discussão.
Recursos Complementares
Pode-se ainda aproveitar o momento para explorar as características da linguagem da propaganda ou fazer isso em outra oportunidade, utilizando vídeos disponíveis na Internet.  
Avaliação:
Ver imagem em tamanho grande
A avaliação será feita durante toda a atividade, observando reações e fazendo intervenções no sentido de tornar a aula significativa e estimular efetivamente o gosto pela leitura. Ao final da atividade, os alunos deverão ser questionados sobre seu hábito de leitura e em que a atividade contribuiu com a mudança ou manutenção desse hábito.Trata-se de um primeiro passo, portanto será necessária a continuidade dessa ação através de outras intervenções pedagógicas que visem ao mesmo objetivo.

terça-feira, 30 de agosto de 2011

Interpretação de Texto

                                     
Leia atentamente o texto abaixo para responder ao que se pede. Estruture resposta completa.


                        GENTE É BICHO E BICHO É GENTE
             Querido Diário, não tenho mais dúvida de que este mundo está virado ao avesso! Fui ontem à cidade com minha mãe e você não faz idéia do que eu vi. Uma coisa horrível,horripilante, escabrosa, assustadora,triste, estranha, diferente, desumana... E eu fiquei chateada.Eu vi um homem, um ser humano, igual a nós, remexendo na lata de lixo. E sabe o que ele estava procurando? Ele buscava, no lixo, restos de alimento.. Ele procurava comida!
             Querido Diário, como pode isso? Alguém revirando uma lata cheia de coisas imundas e retirar dela algo para comer? Pois foi assim mesmo, do jeitinho que estou contando. Ele colocou num saco de plástico enorme um montão de comida que um restaurante havia jogado fora. Aarghh!!! Devia estar horrível! Mas o homem parecia bastante satisfeito por ter encontrado aqueles restos. Na mesma hora, querido Diário, olhei assustadíssima para a mamãe. Ela compreendeu o meu assombro. Virei para ela e perguntei: “Mãe, aquele homem vai comer aquilo?” Mamãe fez um “sim” com a cabeça e, em seguida, continuou: “Viu, entende por que eu fico brava quando você reclama da comida?”.
           É verdade! Muitas vezes, eu me recuso a comer chuchu, quiabo, abobrinha e moranga. E larguei no prato, duas vezes, um montão de repolho, que eu odeio! Puxa vida! Eu me senti muito envergonhada! Vendo aquela cena, ainda me lembrei do Pó, nosso cachorro. Nem ele come uma comida igual àquela que o homem buscou do lixo. Engraçado, querido Diário, o nosso cão vive bem melhor do que aquele homem. Tem alguma coisa errada nessa história, você não acha? Como pode um ser humano comer comida do lixo e o meu cachorro comer comida limpinha? Como pode, querido Diário, bicho tratado como gente e gente vivendo como bicho? Naquela noite eu rezei, pedindo que Deus conserte logo este mundo. Ele nunca falha. E jamais deixa de atender os meus pedidos. Só assim, eu consegui adormecer um pouquinho mais feliz.

                (OLIVEIRA, Pedro Antônio. Gente é bicho e bicho é gente. Diário da Tarde. Belo Horizonte, 16 out. 1999).


                         



01. O texto lido é do gênero “Relato Pessoal”, do tipo “Diário”. Que marcas textuais comprovam essa afirmativa?


02. A narradora inicia seu relato afirmando não ter mais dúvida de que o mundo está “virado ao avesso”. Porque ela afirma isso?

03. O texto aborda uma problemática social muito específica. Indique tal problemática e justifique sua resposta.

04. Em certo trecho, a narradora se diz muito envergonhada? Do que ela se envergonha?

05. A narradora compara a vida de seu cachorro à vida do homem que buscava comida no lixo. A partir dessa comparação, pode-se afirmar que o autor do texto quer mostrar a vida humana, muitas vezes, sendo menos valorizada que a vida de um animal. Justifique seus comentários.


06. No final do relato, a narradora deposita sua confiança em um ser divino. Por que ela não deposita essa confiança em outro ser humano? Explique.

07. Em sua opinião, o que pode ser feito para diminuir o sofrimento de pessoas como o homem retratado no relato? Justifique.



Trabalhando com interpretação de Texto.

terça-feira, 30 de agosto de 2011

RECONTANDO ESTÓRIAS: A CIGARRA E A FORMIGA

Dados da Aula
O que o aluno poderá aprender com esta aula
• Análise crítica das informações; • Interpretação das fábulas com observação a relação de valores morais imbricadas nessas obras literárias.
Duração das atividades
07 aulas
Conhecimentos prévios trabalhados pelo professor com o aluno
• Saber que a linguagem escrita tem o poder de propagar idéias e valores através dos tempos, veja a presença marcante das fábulas e seu não envelhecimento nas gerações de crianças. • Saber que é por meio da criatividade humana que um texto amplamente conhecido pode sofrer alterações e ganhar novo fôlego e público de interesse.
Estratégias e recursos da aula
As estratégias utilizadas serão:
- utilização do laboratório de informática;
- aula interativa em grupos em sala de aula e no laboratório de informática;
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

domingo, 28 de agosto de 2011

O uso das Tecnologias nas Escolas

                    O uso de Tecnologias nos coloca frente às mudanças na cultura, na sociedade, na economia, na educação e aos avanços da ciência e  conhecimentos que precisamos incorporar e lidar em sala de aula. Para isso nós, professores da E.E.Venceslau Brás estamos participando da “Oficina Pedagógica com o uso das Tecnologias da Informação e Comunicação – TIC”.
                   Estamos felizes em contar com a ajuda dos Tutores Juliana Nogueira e Anderson de Jesus, que nos ensina com paciência e dedicação.

                                  
         Quem sou eu como professora aprendiz?    

         Decidida a caminhar ao encontro dos avanços da Ciência, do conhecimento e dos comportamentos dos meus alunos, e disposta a ver na tecnologia uma aliada. Isso significa transformação.


                  Tecnologia ao alcance de todos.
                 OLPC em Ruanda                  
                                                                         
                                                             Navegar é preciso...”                             

sábado, 27 de agosto de 2011

Profissão de professor...



  "Ninguém nega o valor da educação e que um bom professor é imprescindível. Mas, ainda que desejem bons professores para seus filhos, poucos pais desejam que seus filhos sejam professores. Isso nos mostra o reconhecimento que o trabalho de educar é duro, difícil e necessário, mas que permitimos que esses profissionais continuem sendo desvalorizados. Apesar de mal remunerados, com baixo prestígio social e responsabilizados pelo fracasso da educação, grande parte resiste e continua apaixonada pelo seu trabalho.
A data é um convite para que todos, pais, alunos, sociedade, repensemos nossos papéis e nossas atitudes, pois com elas demonstramos o compromisso com a educação que queremos. Aos professores, fica o convite para que não descuidem de sua missão de educar, nem desanimem diante dos desafios, nem deixem de educar as pessoas para serem “águias” e não apenas “galinhas”. Pois, se a educação sozinha não transforma a sociedade, sem ela, tampouco, a sociedade muda."